quinta-feira, 26 de abril de 2007

Festejos de Abril fazem sentido?

O Presidente da República sugeriu hoje, no Parlamento, que se repense o modelo de comemorações do 25 de Abril, questionando-se se não estarão a «converter-se num ritual que já pouco diz» aos cidadãos.

Logo no início do discurso na sessão solene do 33º aniversário da Revolução dos Cravos, Cavaco Silva interrogou-se se «continuará a fazer sentido» manter o actual modelo «ou se será tempo de inovar».

«De tão repetidas nos mesmos moldes, o que resta verdadeiramente da comemoração do 25 de Abril? Continuará a fazer sentido manter esta forma de festejarmos o Dia da Liberdade ou será tempo de inovar?», questionou.

As questões deixadas aos deputados foram isso mesmo: interrogações e dúvidas sobre as quais os políticos deverão reflectir. O Presidente não deixa qualquer sugestão, mas mostra-se preocupado com os jovens. Afinal, é do que nasceram depois de 1974 o «futuro de Portugal». E o que «dirá este cerimonial às gerações mais novas?».

Num discurso dedicado aos jovens, partindo do ritual comemorativo que década após década imita o anterior no Parlamento, o Presidente da República pediu aos mais novos que não se resignem. E que «o espírito inconformista do dia 25 de Abril de 1974» seja visível nas comemorações da Revolução. Dos jovens, e dos festejos, Cavaco passou o apelo aos políticos, no sentido de unirem esforços a favor da «qualidade da democracia».

A preocupação de Cavaco Silva é também com a degradação da «democracia». «Não me resigno nem me conformo na batalha pela qualidade da democracia portuguesa», afirmou o Presidente da República, defendendo a necessidade de uma «classe política qualificada» e «critérios de rigor ético, exigência e competência». «Acima de tudo temos de deixar aos jovens a ideia de democracia como um código moral e um sentido de identidade colectiva».

As comemorações oficiais do 25 de Abril constam da tradicional sessão solene na Assembleia da República, com intervenções de representantes dos partidos, do presidente do Parlamento e Presidente da República. O desfile organizado pela Associação 25 de Abril, na Avenida da Liberdade, em Lisboa, é outro dos pontos altos das comemorações.

E o leitor? Concorda com os apelos do Presidente da República? Será que as comemorações habituais do 25 de Abril entraram na rotina? Será que os mais jovens estão atentos aos valores da Revolução? Ou é preciso «inovar», como diz Cavaco?


in Portugal Diário, 24/04/2007

1 comentário:

Vigilant Side-Kick disse...

Isso de sugerir mudanças mas não apresentar alternativas é uma saída muito fácil, não me parece que seja a melhor postura para alguém de quem se espera decisões, não fosse ele a figura de proa da nação. Larga a deixa mas não se chega à frente? Belo presidente!

De qualquer modo, não percebo o que é que alguem que tem a tua postura em relação ao 25 de Abril pode ter a ver com isto. Quem tá de fora não racha lenha, meu!

Ou a tua posição assumida em público é falsa ou isto foi fazer post por não ter mais nada para fazer!